Sou dramática, intensa, transitória e tenho uma alegria em mim que quase me deixa exausta. Eu sei sorrir com os olhos e gargalhar com o corpo todo. Eu sei chorar toda encolhida abraçando as pernas. Por isso, não me venha com meios-termos, com mais ou menos ou qualquer coisa. Venha a mim com corpo, alma, vísceras e falta de ar.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Conhecendo o Panteão Celta


 

Apesar dos povos celtas que ocuparam a Europa Ocidental e Central durante a Idade do Ferro, não constituírem uma unidade sócio-política, formavam sim, um conjunto de pessoas que compartilhavam crenças e que terminaram sendo expandidas ao longo de todo o território onde esta cultura predominou. Um dos seus primeiros mitos conta a odisseia dos “Tuatha Dé Danann” (os filhos de Dana, deusa mãe no panteão celta). Eles teriam chegado à Irlanda em barcos voadores e vencido aos Fir Bolg e os Fomorianos, perdendo, entretanto a batalha contra os Milesianos e sendo confinados no mundo subterrâneo.


Os principais deuses e deusas do panteão celta são:

 


Aine - a Deusa celta Senhora do Povo das Fadas. Filha de Eogabail, o qual foi em tempos o enteado de Manannan mac Lir. Seu culto embasa uma vertente da wicca, que é a Faery Wicca. Ela é mencionada como forma jovem da Deusa Dannu. Descrita como uma Donzela bonita se apresenta dançando nos Círculos de Fadas. É uma Deusa do amor, da alegria, da beleza e da fertilidade. Originariamente era uma Deusa do gado, cultuada em Knockaine, Irlanda.

Angus Mac Og - Deus da Juventude, do Amor e da Beleza na Irlanda Antiga. Um dos Tuatha de Dannan, Angus possuía uma harpa dourada que produzia música de irresistível doçura. Os seus beijos transformavam-se em pássaros que transportavam mensagens de amor.

Anu/Annan/Dana/Dannan - Deusa Mãe, da Abundância, sendo a maior de todas as deusas do panteão irlandês. Aspecto virginal da Deusa Tripla, formada com Badb e Macha, guardiã do gado e da saúde. Deusa da Fertilidade, da Prosperidade e do Conforto.

Arawn - Regente do Inferno, Annwn, o Submundo na tradição galesa. Representa a vingança, o terror, à guerra.

Arianrhod - Seu nome significa Roda de Prata ou Grande Mãe Frutuosa. Arianrhod é a Face Mãe da Deusa Tríplice para os povo de Gales. Honrada em especial na Lua Cheia, ela é a guardiã da Roda de Prata, símbolo do tempo e do karma. Senhora da Reencarnação.

 

Badb - Seu nome, que se pronuncia Baid, foi traduzido como Corvo de Batalha, ou Gralha Escaldada, que representaria o caldeirão da vida, conhecido em Gales como "Cauth Bodva". Badb, deusa da Guerra, é esposa de Net, também deus da Guerra. Irmã de Macha, a Morrigu, e de Anu. Aspecto Maternal da Deusa Tripla irlandesa. Associada ao caldeirão, aos corvos e às gralhas, Badb rege a vida, a sabedoria, a inspiração e a iluminação.

Balor - Um Fomoriano que possuía um olho venenoso. Um dos seus olhos tornou-se maligno para os outros seres quando espiava os feiticeiros do seu pai a prepararem uma poção mágica. O fumo do caldeirão contaminou-lhe um olho. Foi-lhe permitido viver se mantivesse o olho fechado. Os Fomorianos usavam um gancho para lhe abrir o olho durante a batalha de forma a poder matar o inimigo. Pensa-se que o Castelo de Balor na Ilha de Tory, ao largo de Donegal, tenha sido um posto avançado Fomoriano.

Banba/Banbha -  Deusa irlandesa que, juntamente com Fotia e Eriu, usava a magia para repelir os invasores. Uma das três Deusas que deram o nome á Irlanda.

Bel/Belenus/Belenos/Belimawr - Seu nome significa "brilhante", sendo o Deus do Sol e do Fogo dos irlandeses. Belenos dá seu nome ao festival de Beltane, ou Beltain, festa de purificação e fertilidade comemorada em 1o. de maio no hemisfério norte. Belenos era ainda ligado à ciência, cura, fontes térmicas, fogo, sucesso, prosperidade, colheita e à vegetação.

 


Blodeuwedd - Seu nome foi traduzido como "flor branca", sendo representada, muitas vezes, com um lírio branco nas cerimônias de iniciação celtas de Gales. Criada por Math e Gwydion, o Druida, para ser esposa de Lleu, foi transformada em coruja por causa do seu adultério e da conspiração para a morte do marido. Aspecto virginal da Deusa Tríplice dos galeses, Blodeuwed tinha por símbolo uma coruja. Seu domínio é o das flores, sabedoria, mistérios lunares e iniciações.

Boann/Boannan/Boyne-Boann -  "Aquela do Gado Branco". Deusa Irlandesa da Liberdade e da Fertilidade, cuja a imagem é a representação de uma vaca branca. Deusa do rio Boyne. Ela é a esposa do Nechtan de Elcmar, Deus da Água, e consorte de Dagda com o qual teve um filho, o Deus Aengus. Para esconder a sua união de Nechtan, Boann e Dagda fizeram com que o Sol ficasse parado durante nove meses, de modo a que Aengus fosse concebido e nascido no mesmo dia.

Bran - O Abençoado. Bran era irmão do poderoso Manawydan ap Llyr e de Branwen, sendo filho de Llyr, do folclore galês. Associado aos corvos, Bran é o deus das profecias, das artes, dos chefes, da guerra, do Sol, da música e da escrita.

Branwen - Irmã de Bran e esposa do rei irlandês Matholwch. Vênus dos Mares do Norte, filha de Llyr, uma das três matriarcas da Grã-Bretanha. Branwen é chamada Dama do Lago, sendo a deusa do amor e da beleza no panteão galês.

Brigit/Brid/Brigid/Brig - Seu nome significa "flecha de poder". Brigit era filha do Dagda, sendo chamada A Poetisa. Outro aspecto de Danu, associada a Imbolc. Tinha uma ordem dedicada a ela, formada só por mulheres, em Kildare, na Irlanda, que se revezavam para manter o fogo sagrado sempre aceso. Deusa do fogo, fertilidade, lareira, todas as artes e ofícios femininos, artes marciais, curas, medicina, agricultura, inspiração, aprendizagem, poesia, adivinhação, profecia, criação de gado, amor, feitiçaria, ocultismo.

 


Cernunnos - Seu nome deve ser pronunciado como se tivesse um "k": kernunnos. Deus Cornudo, Consorte da Grande Mãe, deus da Natureza, Senhor do Mundo. Comumente representado por um homem sentado na posição de lótus, cabelo comprido e encaracolado, de barba, nu, usando apenas um torque (colar celta) ao pescoço, ou ainda por um homem de chifres, sendo, por isso, erroneamente comparado ao diabo dos cristãos. Os seus símbolos eram o veado, o carneiro, o touro e a serpente. Deus da virilidade, fertilidade, animais, amor físico, natureza, bosques, reencarnação, riqueza, comércio e dos guerreiros.

Cerridwen/Ceridwen/Caridwen - Deusa da Lua do panteão galês, sendo chamada de Grande Mãe e A Senhora. Deusa da natureza, Cerridwen era esposa do gigante Tegid e mãe de uma linda donzela, Creirwy, e de um feio rapaz, Avagdu. Os bardos galeses chamavam a si mesmos de Cerddorion, filhos de Cerridwen. Há uma lenda que diz que o grande bardo Taliesin, druida da corte do rei Arthur, nascera de Cerridwen e se tornara grande mago após tomar algumas gotas de uma poderosa poção de inspiração que Cerridwen preparava no seu caldeirão. Cerridwen é ainda a deusa da Morte, da fertilidade, da regeneração, da inspiração, magia, astrologia, erva, poesia, encantamentos e conhecimento.

Creiddylad/Creudylad/Cordellia - Deusa ligada ao Beltane, freqüentemente chamada de Rainha. Deusa de flores de verão, amor.

Crone - Um aspecto da Deusa Tripla. Ela representa velhice ou morte, inverno, o fim de todas coisas, o sangue menstrual, fases de vidas das mulheres. Toda destruição que precede regeneração através de ela, o caldeirão do renascimento.

 


Dagda - No folclore irlandês, o Dagda era chamado de O Bom Deus, Grande Senhor, Pai dos deuses e dos homens, o Arquidruida, deus da magia, da terra. Rei supremo dos Tuatha de Dannan, mestre de todos os ofícios, senhor de todos os conhecimentos. Teve vários filhos, entre eles Brigit, Angus, Midir, Ogma e Bodb, o Vermelho. O Dagda tinha uma harpa de carvalho vivo que fazia com que as estações mudassem quando assim o ordenasse. Deus dos magos e sacerdotes, senhor dos artesãos, da música e das curas.

A Dama Branca - Conhecida em todos os países celtas, era identificada como Macha, Rainha dos Mortos, a forma idosa da Deusa. Simbolizava a morte e a destruição. Algumas lendas chamam-na de Banshee, aquela que traz a morte.

 


Danu/Dana/Dannan - Principal Deusa Mãe dos irlandeses, às vezes identificada com Anu. Mãe dos Tuatha de Dannan, Povo de Dana, o Povo Mágico, descendente dos deuses, que se escondeu com a chegada dos cristãos às terras celtas. Outro aspecto da Morrigu, Danu é a patrona dos feiticeiros, dos rios, das águas, dos poços, da prosperidade e abundância, da sabedoria e da magia.

Dewi - Um Deus da Velha Gália. O emblema oficial de Gales, um dragão vermelho, deriva da Grande Serpente Vermelha que em tempos representava o Deus Dewi.

Diancecht - Médico-mágico do Tuatha. Deus de restabelecimento, medicina, magia.

Don/Domnu - Deus governante da terra da morte e entradas para outros mundos. Controle dos elementos, eloqüência.

Druantia - "Rainha dos Druidas", deusa ligada à fertilidade, às atividades sexuais, às árvores, à proteção, ao conhecimento e à criatividade.

Dylan - Filho da Onda, Dylan era o deus do mar para os antigos galeses, sendo filho de Gwydion e Arianrhod. Seu símbolo era um peixe prateado.

Elaine - Aspecto virginal da Deusa no panteão galês.

 


Epona - Seu nome significa "grande cavalo", sendo homenageada em Gales como deusa dos cavalos. Seus atributos incluíam ainda a fertilidade, a maternidade, a prosperidade, os animais, a cura e a colheita.

Eriu/Erin - Filha do Dagda, Erin era uma das três rainhas dos Tuatha de Dannan da Irlanda.

Flidais - Deusa da floresta, dos bosques e criaturas selvagens do povo irlandês. Viajava numa carruagem puxada por veados e tinha a capacidade de mudar de forma.

 

Goibniu/Gofannon/Govannon - Era o Grande Ferreiro do povo irlandês, semelhante a Vulcano. Foi ele quem forjou todas as armas dos Tuatha de Dannan. Estas armas sempre atingiam o alvo e toda ferida provocada por elas era fatal.Deus dos ferreiros, dos fabricantes de armas, da ourivesaria, fabricação da cerveja, fogo e trabalho com metais em geral.

Great Father - O Senhor. Senhor de inverno, colheita, animais, montanhas, luxúria, forças de destruição e regeneração. O aspecto masculino de criação.

Great Mother - A Dama. O aspecto feminino de criação, deusa de fertilidade, a lua, verão, flores, amor, restabelecimento.

Gwydion - O Grande Druida dos galeses. Feiticeiro e bardo do Norte de Gales, seu símbolo era um cavalo branco. Rege a ilusão, as mudanças, a magia, o céu e as curas.

Gwynn ap Nud - Rei das fadas e do submundo na tradição galesa.

Gwythyr - Oposto de Gwynn ap Nud, Gwythyr era o senhor do mundo superior, também no folclore galês.

Herne - O Caçador, era associado a Cernunnos, o Deus Cornudo, e acabou sendo, também, associado à floresta de Windsor.

 


O Homem Verde (Green Man) - O Homem Verde tinha os mesmos atributos de Cernunnos, sendo igualmente uma divindade cornuda que habitava as florestas. Deus dos bosques, seu nome, em galês antigo, é Arddhu (O Escuro) ou Atho.

Llyr/Lear/Lir - No folclore galo-irlandês, Llyr era o deus do mar e da água, sendo considerado, ainda, senhor do mundo subterrâneo. Llyr era pai de Manawyddan, de Bran e de Branwen.

 


Lugh/Luga/Lamhfada/Llew/Lug/Lug Samildanach/ Llew Llaw Gyffes/Lleu/Lugos - Na Irlanda e em Gales, Lugh era chamando O Brilhante. Deus do Sol e da guerra era associado aos corvos, tendo por símbolo, em Gales, um veado branco. Sua festividade é Lughnasadh, outra festa da colheita. Era filho de Cian e de Ethniu. Tinha uma espada e uma funda mágica. Lugh era carpinteiro, pedreiro, ferreiro, harpista, poeta, druida, médico e ourives. Seu domínio incluía a magia, o comércio, a reencarnação, o relâmpago, a água, as artes e ofícios em geral, viagens, curas e profecias.

Mabon - Mabon, filho de Modron ("Jovem" filho de "Deusa Mãe") era um Deus da Caça. Ele foi raptado quando tinha três dias e foi viver em Annwn quando depois foi salvo por Culhwch quando adulto. Ele ficou para sempre jovem como resultado da sua estadia. Ele ajudou Culhwch na procura de Olwen. A madrasta de Culhwch desejou que ele casasse com a sua filha. Quando ele recusou, ela amaldiçoou-o no intuito de ele não casar com mais ninguém a não ser Olwen, filha de Ysbaddaden. Ele tinha o poder de fazer a Terra florescer ou de torná-la erma. Ele alistou-se na contenda para ajudar Artur na procura de Olwen.

Macha - O Corvo. Rainha da Vida e da Morte no panteão irlandês. Um dos aspectos da Morrigu, era reverenciada também em Lughnasadh. Após uma batalha, os irlandeses cortavam as cabeças dos vencidos e ofereciam a Macha, sendo este costume chamado de A Colheita de Macha. Deusa protetora da guerra, e da paz, Macha regia também a astúcia, a força física, a sexualidade, a fertilidade e o domínio sobre os machos.

Manannan mac Lir/Manawyddan ap Llyr/Manawydden - Filho do deus do mar, Llyr, era homenageado como uma das principais divindades do mar pelos irlandeses. Reverenciado ainda como protetor dos navegadores, deus das tempestades, da fertilidade, da navegação, dos mercadores e do comércio. Tinha uma armadura mágica que se dizia ser impenetrável.

 


Margawse - Aspecto da Mãe, da Deusa.

Math Mathonwy - Deus da feitiçaria, da magia e do encantamento no folclore galês.

Merlin/Merddin/Myrddin - Figura já conhecida do círculo da mitologia arturiana, este era o Grande Feiticeiro, o Druida Supremo dos galeses. Dizia-se que aprendeu sua magia (que não era pouca) com a própria Deusa, sob os nomes de Morgana, Viviane, Nimue ou Rainha Mab. A tradição diz que Merlin dorme numa caverna de cristal depois de enganado por um encantamento de Nimue. Merlin era o senhor da ilusão, da profecia, da adivinhação, das previsões, dos artesãos e ferreiros. Diz-se ainda que tinha grande habilidade de mudar de forma.

Modron - Deusa de Gales, filha de Avalloc, deriva da Deusa Celta Matrona. Ela é tida como sendo um protótipo de Morgana.

 


Morrigu/Morrigan/Morrighan/Morgan - A Morrigu era tida como a Grande Rainha, Senhora Suprema da Guerra, Rainha dos Fantasmas e Rainha Espectro, pois possuía uma forma mutável. Reinava sobre os campos de batalha, ajudando com sua magia. Representa o aspecto idoso da Deusa Tríplice, sendo associada aos corvos e gralhas. Patrona das sacerdotisas e feiticeiras.

Nuada/Nuda/Nodons/Nodens/Lud/Llud Llaw Ereint - No folclore galo-irlandês, era reverenciado como o senhor dos deuses, como Júpiter. Possuía uma espada invencível, guardada pelos Tuatha de Dannan. Nuada era o deus da cura, da água, dos oceanos, da pesca, da navegação, dos carpinteiros, ferreiros, harpistas, poetas e narradores de histórias.

Ogma/Oghma/Ogmios/Grianainech/Cermait - Herói semelhante a Hércules, Ogma tinha uma enorme maça com a qual defendia seu povo, os Tuatha de Dannan, sendo eleito seu campeão. A tradição diz que foi ele quem inventou o alfabeto ogham, utilizado pelos antigos druidas, baseado em árvores consideradas mágicas. Ogma rege a eloquência, os poetas, escritores, a inspiração, a força física, a linguagem, a literatura, as artes, a música e a reencarnação.

Pryderi - Pryderi ("preocupação") era filho de Pwyll de Dyfed e Rhiannon, uma mulher do Outro Mundo. Ele foi raptado quando nasceu, salvo por Teirnon, e devolvido aos seus pais. Ele cresceu até ser adulto no espaço de sete anos. Casou com Cigva e reinou em Dyfed depois da morte do seu pai. Convidou depois o segundo marido da sua mãe, Manawydan, filho de Llyr para viver em Dyfed depois do seu casamento. Um dia, toda a terra de Dyfed foi transformada num ermo e apenas Rhiannon, Manawydan, Pryderi e a sua mulher Cigfa foram poupados. Manawydan e Pryderi quando caçavam um dia, seguiram um enorme Javali branco. Este entrou num buraco onde Pryderi encontrou uma taça de ouro; quando lhe tocou, ficou enfeitiçado. Rhiannon segui-lhe e ficou também enfeitiçado; o buraco então fechou-se e levou-os com ele. Manawydan e Cigva capturaram um pequeno rato por acaso, o qual na realidade era a mulher de Llwyd, um inimigo de Rhiannon e o feitiço foi quebrado. Dyfed foi restituída á sua condição normal e Pryderi reinou durante muitos anos.

 


Pwyll - Pwyll, Senhor de Dyfed, encontrou enquanto caçava, um estranho par de cães de caça de um branco puro exceto as suas orelhas que eram vermelhas. Tentado ataca-los e defender-se Pwyll lançou os seus próprios cães sobre eles, o que lhe custou a punição por parte do dono dos cães que era Arawn, Rei de Annwn (Submundo ). Arawn lançou sobre Pwyll a seguinte penitência: ele iria viver em casa de Arawn, disfarçado, por um ano e um dia, enquanto Arawn viveria em Dyfed em seu lugar. No fim do tempo determinado, ele iria travar uma batalha com Hafgan, um inimigo de Arawn e vencê-lo pois apenas um mortal o conseguiria fazer. Pwyll não só conseguiu cumprir a penitência como também se absteve de dormir com a mulher de Arawn; como recompensa, Arawn tornou-se o seu melhor amigo. Mais tarde, Pwyll conheceu Rhiannon, filha de Hefeydd o Ancião. Ela apareceu diante dele como uma linda mulher vestida de ouro e montada num cavalo branco.. Pwyll mandou o mais rápido dos seus cavaleiros segui-la, mas não capturá-la. No terceiro dia, ele falou com ela e ela disse-lhe que preferia casar com ele do que casar com o seu prometido marido, Gwawl. Um ano e um dia depois Pwyll encontrou-a na corte de seu pai, onde e com a sua ajuda a ganhou a Gwawl. Ela deu á luz o filho de Pwyll que desapareceu logo após o parto. Rhiannon então matou um cachorrinho e derramou o seu sangue por si, para evitar ser culpada pelo desaparecimento da criança. Como punição passou sete anos a contar a sua história a todos os recém chegados e a traze-los como se de um cavalo se tratasse, até á corte. Entretanto a criança estava na corte de Teyrnon, cujas éguas davam á luz na Noite de Maio, e perdiam as crias misteriosamente. Quando Teyrnon assistia aos nascimentos, ele salvou um dos poldros de uma besta misteriosa, e descobriu também uma criança, do lado de fora do estábulo, a qual ele e a sua esposa adoptaram. O rapaz cresceu até ser adulto no espaço de sete anos e foi-lhe oferecido o poldro que foi salvo na noite do seu nascimento. Eles reconheceram então a criança como sendo filho de Pwyll e devolveram o rapaz á sua família onde ele foi chamado Pryderi (preocupação) pela sua mãe. Pwyll reinou então feliz até ao dia da sua morte.

Rhiannon - Grande rainha dos galeses, Rhiannon era a protetora dos cavalos e das aves. Rege os encantamentos, a fertilidade e o submundo. Aparece sempre montando um veloz cavalo branco.

Scathach/Scota/Scatha/Scath - Seu nome traduzia-se como A Sombra, Aquela que combate o medo. Deusa do submundo, Scath era a deusa da escuridão, aspecto destruidor da Senhora. Mulher guerreira e profetisa que viveu em Albion, na Escócia, e que ensinava artes marciais para os guerreiros que tinham coragem suficiente para treinar com ela, pois era tida como dura e impiedosa. Não foi à toa que o adestramento do herói Cu Chulainn foi levado a cabo por ela mesma, considerada a maior guerreira de toda a Irlanda. Scath era ainda a patrona dos ferreiros, das curas, magia, profecia e artes marciais.

 


Taliesin - Taliesin o Bardo, foi o druida chefe da corte de Arthur, um dos maiores reis da Inglaterra. Dominava a arte da escrita, a poesia, a sabedoria, a magia e a música. Taliesin é tido como patrono dos druidas, bardos e menestréis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário